• banner-vestibular-2018








Imprimir

Secretário explica sobre medidas que facilitam a criação de peixes

banner-arnaldo-jardim2Arnaldo Jardim também lembrou que em fevereiro deste ano, o governador Geraldo Alckmin, anunciou uma série de medidas para impulsionar a aquicultura paulista, como a Guia de Trânsito Animal eletrônica (e-GTA) e a emissão a Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária (DCAA) para a aquicultura, simplificando o licenciamento ambiental, facilitando a emissão de documentos e licenças para que os pequenos produtores possam exercer a atividade.

“A partir de agora, a emissão da e-GTA para a movimentação, dentro do Estado, de animais aquáticos (peixes, crustáceos, moluscos, invertebrados e coral) pode ser feita pelo criador por meio do sistema informatizado Gestão de Defesa Animal e Vegetal (Gedave), em sua propriedade, para ser liberada online pela Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA), sem a necessidade de que ele se dirija a uma unidade oficial de defesa”, afirma Arnaldo Jardim.

“Além da e-GTA, o criador poderá emitir a Declaração de Conformidade da Atividade Agropecuária (DCAA) para a aquicultura, dispensando o licenciamento ambiental para que pequenos produtores instalem e operem seus empreendimentos, como já ocorre em outras atividades”, explica.

Crescimento

Ao longo do encontro, Arnaldo Jardim Apresentou diversas estatísticas a respeito da aquicultura. Uma delas é que a criação de peixes em cativeiro no Brasil está em expansão e o país fechou o ano de 2016 com um crescimento de 10%, com faturamento ficou em R$ 4,5 bilhões.

“A indústria do peixe emprega, entre tanques, frigoríficos, comércio e indústrias, cerca de um milhão de pessoas”, destaca.

Segundo relatório da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), a aquicultura terá expansão nos próximos anos no Brasil. Ainda de acordo com o relatório da FAO, o consumo de pescados no Brasil chegará a 12,7 quilos em 2025, cerca de 32% a mais do que os 9,6 quilos consumidos por ano entre 2013 e 2015.

“Dados do relatório da FAO apontam que em dez anos a produção de pescados em cativeiro no Brasil mais do que dobrará. A expectativa é que em 2025 a produção já seja de 1,145 milhão de toneladas”, destaca Jardim.

Fonte: Tribuna de Ituverava