• banner-vestibular-FAJOB-2020-2
  • banner-VESTIBULAR2020-2-fafram
  • banner-vestibular-ffcl-2020-2
  • banner-comunicados
  • banner-forme-facil3








Imprimir

FE adquire novas carteiras para instituições mantidas

A Fundação Educacional de Ituverava adquiriu 750 novas carteiras para serem utilizadas pelos alunos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), Faculdade Dr. Francisco Maeda (Fafram) e Colégio Nossa Senhora do Carmo - COC.

Nesta semana, as carteiras foram entregues no Campus I da FE (FFCL), onde estiveram presentes o presidente da Fundação Educacional de Ituverava, César Luiz Mendonça, o tesoureiro Seandro Duarte Esteve, o diretor-executivo Roberto Inácio Barbosa, o superintendente Luís Olavo Alves (“Luque”), o vice-diretor-executivo Antônio Gonçalves Delgado e o diretor da FFCL, Antônio Luis de Oliveira (“Toca”).

De acordo com Mendonça, o objetivo é oferecer mais conforto aos estudantes. “É um investimento importante porque o conforto dos estudantes é uma das prioridades, que beneficia inclusive o aprendizado deles”, afirma.

“As carteiras serão para os dois campi da FE, sendo que no Campus II serão para alunos que estudam nos períodos diurno e noturno na Fafram, e no Campus I pelos alunos do Colégio Nossa Senhora do Carmo - COC de manhã e à tarde, e pelos da FFCL durante a noite”, completa Mendonça.

Investimentos

Além das carteiras, a FE tem realizado outros importantes investimentos. No Campus I estão sendo construídas dezessete salas de aula, sendo oito no térreo, para o Colégio Nossa Senhora do Carmo - COC, e outras nove no primeiro pavimento, para os cursos de graduação da FFCL. A nova ala terá 2,6 mil metros quadrados e o intuito é acomodar melhor os alunos.

Também foram construídos na Faculdade Dr. Francisco Maeda (Fafram) dois galpões: um para guardar máquinas e insumos e o outro para alunos que fazem estágio na Fafram. Neste local, há um espaço, com cozinha e banheiro, para guardar seus objetos.

Fonte: Tribuna de Ituverava

Imprimir

Faculdades da FE oferecem 165 bolsas através do PROUNI

O Ministério da Educação divulgou no dia 2 de fevereiro o resultado do Prouni, programa que dá bolsas de estudo em universidades particulares. Este ano, foram oferecidas mais de 213 mil bolsas parciais e integrais.
 
Quem conseguiu uma bolsa, agora tem que fazer a comprovação das informações na universidade escolhida até a próxima segunda-feira, dia 9. No dia 19, será divulgada a segunda chamada. Participaram desta edição do Prouni, mais de 1,3 milhão de estudantes. A maior parte das bolsas, 63%, é integral. O restante, de 50%.
 
Em Ituverava são disponibilizadas 165 bolsas através do Prouni na Faculdade Dr. Francisco Maeda (Fafram) e na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), ambas mantidas pela Fundação Educacional de Ituverava.
 
De acordo com o presidente da FE, César Luís Mendonça, o Prouni é um importante programa, tanto para as instituições de ensino quanto para os alunos. “Desde que o Prouni foi criado, em 2005, as instituições da FE participam e já formaram cerca de 1 mil alunos beneficiados pelo programa”, afirma.
 
“Para as instituições é importante porque garantem os estudantes e recebem o valor da mensalidade do Governo. Já para os alunos, é muito bom porque eles deixam de ter gastos com a mensalidade, ou no caso de 50% de bolsa, pagam apenas metade”, ressalta.
 
Outras bolsas
Além do Prouni, a Fundação Educacional de Ituverava sempre ofereceu, por conta própria, muitas outras bolsas. Para este ano, no entanto, menos pessoas deverão ser beneficiadas, atendendo a uma nova exigência do Governo Federal. “Antes, 25% do faturamento da Fundação Educacional de Ituverava eram revertidos em bolsas aos alunos. Elas eram concedidas aos estudantes de acordo com a necessidade de cada um, atendendo muitas pessoas”, explica.
 
“Neste ano, no entanto, foram necessárias algumas mudanças. Pela nova lei, a FE só poderá conceder bolsas integrais e de 50% de desconto. Isso é um problema porque antes poderiam ser atendidos mais alunos. Uma bolsa integral, por exemplo, podia ser dividida em quatro bolsas parciais de 25% de desconto, beneficiando quatro alunos ao invés de um”, ressalta.
 
A mudança, segundo Mendonça, prejudica a FE. “Ela nos limita bastante, e diminui o número de alunos beneficiados com bolsas. É uma medida para atender a uma lei federal e traz prejuízos, pois desta maneira, muitos alunos terão que se esforçar ainda mais para pagar as mensalidades”, finaliza Mendonça.
 
Esclareça as principais dúvidas sobre o Prouni
Quais são os próximos passos para quem passou na pré-seleção?
 
No período indicado no cronograma, o estudante pré-selecionado deve comparecer à instituição para a qual passou, levando os documentos que comprovem as informações prestadas no momento da inscrição.
 
O candidato também deve observar se a instituição tem um processo seletivo próprio para os pré-selecionados do Prouni. Nesse caso, a instituição deve comunicar sobre como será essa seleção e quais são os critérios de aprovação, até 24 horas após a divulgação das chamadas. É proibida a cobrança de qualquer taxa para a realização do processo seletivo próprio. Os estudantes devem observar também se haverá formação de turma no período letivo inicial de seu curso.
 
Não houve formação de turma para o meu curso. E agora?
 
Os estudantes pré-selecionados só podem receber uma bolsa do Prouni caso haja formação de turma no período letivo inicial do curso, ou seja, caso haja o número mínimo de alunos matriculados. Os candidatos pré-selecionados serão reprovados e terão direito à bolsa apenas se já estiverem matriculados no curso. Sendo assim, continuam concorrendo na chamada seguinte e, caso não sejam pré-selecionados, podem pedir para participar da lista de espera.
 
Como funciona a lista de espera?
 
Quem não for pré-selecionado em nenhuma das chamadas do Prouni ou for reprovado por não ter havido formação de turma pode manifestar interesse em participar da lista de espera, destinada às bolsas não preenchidas nas chamadas regulares. A lista de espera será disponibilizada às instituições com a classificação dos estudantes por curso e turno segundo suas notas no Enem.
 
Para participar da lista de espera, o candidato deve confirmar o interesse na página do Prouni no prazo indicado no cronograma. Todos os participantes da lista devem comparecer às respectivas instituições para entregar os documentos que comprovem as informações prestadas na inscrição.
 
Imprimir

Alunos do Pibid/FFCL apresentam projetos realizados em 2014

A Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), instituição de Ensino Superior mantida pela Fundação Educacional de Ituverava, realizou na última segunda-feira, 17 de novembro, apresentação dos projetos desenvolvidos ao longo de 2014 pelos alunos participantes do PIBID (Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Doença).

Participaram do evento, realizado no Salão Nobre da FE, professores, convidados, e 35 alunos da FFCL, dos cursos de graduação em Ciências Biológicas, História, Letras, Matemática e Pedagogia. Eles desenvolvem projetos educativos dentro das suas disciplinas, nas Escolas Municipais de Ensino Fundamental “Humberto França” e “Jardim Guanabara”.

O PIBID é um programa do Ministério da Educação, gerenciado pela CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), tendo como principal objetivo incentivar a formação de professores para a Educação Básica e a elevação da qualidade da escola pública.

Iniciação a docência

Como é um programa de iniciação à docência, os participantes são alunos dos cursos de licenciatura que, inseridos no cotidiano de escolas da rede pública, planejam e participam de experiências metodológicas, tecnológicas e práticas docentes de caráter inovador e interdisciplinar, e que buscam a superação de problemas identificados no processo de ensino-aprendizagem.

Em entrevista concedida à Tribuna de Ituverava, o diretor da FFCL, Antônio Luis de Oliveira (“Toca”), fala sobre o PIBID. “É muito bom para os estudantes dos cursos de licenciatura, pois através do PIBID eles participam de estágios que permitem o convívio no ambiente educacional, onde deverão atuar depois de formados”, explica Toca. 

“É um projeto de formação de professores, oferecendo a eles a oportunidade de atuar no desenvolvimento de atividades e projetos juntos a alunos da rede municipal de ensino”, completa o diretor.

Fonte: Tribuna de Ituverava

Imprimir

A Fundação recebe doação do historiador Celso Barbosa Sandoval

No dia 9 de fevereiro o historiador Celso Barbosa Sandoval doou todo o seu acervo à Fundação Educacional de Ituverava. A entrega foi no Campus I da FE (FFCL), quando foram entregues à instituição de ensino livros, atas da maçonaria, inventários, mapas, cartas políticas trocadas entre o governo local e os governos estadual e federal, recortes de jornais, revistas e fotos.

Acompanhado pelos filhos Renato de Freitas Barbosa Sandoval e Cristiane de Freitas Barbosa Sandoval de Castro, Celso Barbosa Sandoval fez a entrega ao presidente da Fundação Educacional de Ituverava, César Luiz Mendonça; ao diretor-executivo Roberto Inácio Barbosa; ao tesoureiro Seandro Duarte Esteve; ao superintendente Luís Olavo Alves (“Luque”); ao vice-diretor-executivo Antônio Gonçalves Delgado; ao diretor da FFCL, Antônio Luis de Oliveira (“Toca”); à bibliotecária Vera Mariza Chaud de Paula e à secretária-administrativa, Vânia Regina Barbosa Porto Gomiero.

O acervo do escritor será catalogado e micro-filmado. Depois grande parte do material ficará à disposição dos alunos e da população para a realização de pesquisas.

Sandoval fala sobre os motivos que o levaram a fazer a doação. “Fiz esta escolha pelo que a FE representa para o município. Além de ter doado todo o acervo, me coloco à disposição para ajudar no que a instituição necessitar”, afirma.

 

“Vale lembrar que pretendo distribuir, entre autoridades, faculdades e escolas, 600 fascículos com a história de nossa cidade. É uma maneira encontrada para mantê-la sempre viva e interessante”, ressalta.

Importância

De acordo com o presidente César Luiz Mendonça, o acervo enriquece a instituição nos aspectos culturais e históricos. “É uma honra receber esta doação, pois ajudará muito futuramente, quando for utilizada em pesquisas acadêmicas por estudantes”, destaca.

O diretor-executivo da FE, Roberto Inácio Barbosa fala sobre a atitude de Sandoval. “A FE tem investido em seu acervo porque sabemos da importância disso para pesquisas. A doação de Celso Barbosa Sandoval vem ao encontro deste pensamento, e por isso o agradecemos muito”, agradece.

A bibliotecária Vera Mariza Chaud de Paula destaca o trabalho do historiador. “É um belo acervo, que sem dúvida será muito bem utilizado por alunos e pela população em importantes pesquisas relacionadas à cidade”, conclui.

Fonte: Tribuna de Ituverava

Imprimir

Palestra com escritor Emílio Figueira na FFCL

Emílio Figueira, que teve paralisia cerebral, é psicólogo, psicanalista, teólogo e escritor.

No dia 28 de janeiro o psicólogo, psicanalista, teólogo e escritor Emílio Figueira, proferiu palestra no Salão Nobre da Fundação Educacional de Ituverava. Ele esteve na cidade a convite da instituição de ensino para falar sobre Inclusão Social, em um evento voltado aos colaboradores da FE.
 
Devido asfixia que sofreu ao nascer, Emílio Figueira e teve paralisia cerebral em 1969, ficando com seqüelas na fala e movimentos. No entanto, esse problema nunca o abateu. Dedicou-se às artes, como literatura, teatro e pintura, e ainda se sobressaiu na produção científica, com graduações, mestrados e doutorados, além de publicação de artigos e monografias no Brasil e exterior. Atuou também como professor e jornalista.
 
Para falar com a platéia, devido à sua limitação, Figueira levou a sua palestra narrada por um amigo radialista, que utilizando as palavras escritas por ele explicou sobre os meios de inclusão no sistema educacional brasileiro.
 
“Por ter paralisia cerebral, sou pesquisador e militante atuante dos movimentos das pessoas com deficiência no Brasil desde os anos 70. Minha palestra é um misto das experiências pessoais por ter uma deficiência motora, mas também como um pesquisador e professor da área”, explica.
 
Temas abordados
Ele abordou os temas: “Um pouco da história das pessoas com deficiência no Brasil”, “Os três momentos pedagógicos voltados aos educandos com necessidades educacionais especiais”, “A ansiedade no processo de Educação Inclusiva”, “O desenvolvimento global do aluno e os efeitos positivos das deficiências” e “Pontos para uma boa Educação Inclusiva”.
 
“A Psicologia Existencial fala que se uma pessoa nasce uma deficiência ou adquire durante a vida, é uma fatalidade que ninguém pode mudar. Mas o importante mesmo, é o caminho que a pessoa toma. Ela pode se entregar à deficiência, passar a vida se lamentando e se escondendo, ou reagir, buscando uma vida cheia de possibilidades, e foi isso que fiz”, completa. 
 
O diretor da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), Antônio Luis de Oliveira (“Toca”) falou sobre a palestra. “Ela vem ao encontro da política de inclusão da FFCL, que tem o objetivo de fazer com que alunos com distúrbios de aprendizado possam estudar na instituição de ensino normalmente”, finaliza.
 
Imprimir

Agromais oferece consultoria a empresas e produtores

Empresa júnior da Fafram é formada por alunos dos cursos de Agronomia e Medicina Veterinária

A Preocupação da Fundação Educacional de Ituverava com uma formação qualificada e com a atuação de seus alunos na sociedade sempre foi grande.

Entre os vários projetos que englobam a formação acadêmica do aluno quanto o seu trabalho em benefício das pessoas, está a empresa júnior Agromais Assessoria e Consultoria, constituída no início dos anos 2000, na Faculdade Dr. Francisco Maeda (Fafram).

O principal objetivo da empresa, de acordo com o diretor da Fafram, Márcio Pereira, é oferecer consultoria e serviços a empresas e produtores rurais, atendendo às áreas agrícola e veterinária, envolvendo os mais diversos assuntos, como plantio, colheita, criação de pequenos, médios e animais de grandes animais. 
“É um projeto muito importante para a instituição, porque os estudantes ficam diretamente em contato com empresas, além de promoverem o Dia de Campo, evento realizado anualmente pela Fafram”, observa o diretor. 
“A consultoria e os serviços prestados pelos alunos é importante para a vida profissional, pois dão subsídios para que eles vivenciem, ainda na faculdade, situações que se depararão ao longo de suas carreiras. Para a Agromais prestar uma consultoria, é cobrada uma taxa, que é investida em seus próprios projetos”, ressalta o Pereira.

Importância do trabalho
Em entrevista concedida à Tribuna de Ituverava, o aluno do curso de Agronomia, Davi Del Bianco Maia, presidente da Agromais, falou sobre a importância do trabalho desenvolvido pela empresa, e relembrou sua trajetória.

“Quando foi fundada, nos anos 2000, a empresa foi presidida por Carlos Araki. Nesse início, a empresa sempre teve uma atividade intensa na área de projetos para financiamento de crédito rural. Após esta fase, a Agromais ficou inativa por alguns anos”, afirma.

Empresa júnior da Fafram voltou a funcionar em 2011
Em 2011, por iniciativa do diretor Márcio Pereira, as atividades da Agromais Assessoria e Consultoria foram retomadas. “O intuito foi propiciar aos alunos a possibilidade de agregar mais conhecimentos e desenvolvimento do espírito empreendedor”, ressalta o presidente Davi Del Bianco Maia.

Neste período, a convite do diretor Márcio Pereira, o professor Flávio José de Sousa Pereira se tornou o tutor da Agromais. “Junto com ele, o aluno Gustavo Pincerato que se envolveu com o projeto, foi eleito o primeiro presidente da nova era”, ressalta Maia.

“Após a retomada das atividades, a empresa ganhou status entre os alunos da instituição, que passaram a querer integrar o quadro da Agromais, melhorando cada vez mais o padrão de qualidade dos trabalhos. A gestão seguinte foi presidida pelo aluno, Lucas Alexandre Pavani e seu vice, Ricardo Figueiredo. Juntos, eles desempenharam com maestria seus papéis, elevando a Agromais com a realização de seu primeiro Dia de Campo, desafio lançado pelo tutor desde a reativação da empresa”, conta.

Ainda de acordo com Maia, as gestões posteriores deram continuidade ao trabalho que estava sendo desenvolvido na empresa. “A terceira gestão foi conduzida pelo presidente, Luis Gustavo Lopes e pela vice, Glorielly Soares, que deram continuidade ao pensamento de incrementar os trabalhos desenvolvidos pela gestão anterior. Foi essa diretoria que promoveu o segundo Dia de Campo, além de outros projetos”, destaca.

Trabalho 
O atual presidente da Agromais é o aluno Davi Del Bianco Maia; o vice, André Luiz Martins Pires, que vêm mantendo o padrão de desempenho alcançado pela Agromais. “Esta gestão vem realizando projetos, palestras, mini-cursos, workshop, consultorias, além da organização do já tradicional Dia de Campo, o evento carro-chefe da Empresa Júnior Agromais, cuja próxima edição está marcada para o primeiro semestre de 2015. Outro projeto para ocorrer logo em seguida é o workshop do curso de Medicina Veterinária”, anuncia.

Para melhor atender o seu público, a Agromais busca constante atualização, além de realizar pesquisas de mercado com freqüência.

Atual diretoria busca capacitar os estudantes
Todos os membros da diretoria da Agromais são alunos dos cursos de Agronomia e Medicina Veterinária, fazem agendamento para assistir empresas e produtores rurais. Os interessados em receber consultorias devem procurar representantes da empresa, na Fafram.

“Vale destacar que a empresa conta com o apoio da Fafram, que ajuda no desenvolvimento de palestras, dias de campo, seminários, trabalhos sociais, participação em eventos, mini-cursos, workshop e consultorias”, destaca o presidente Davi Del Bianco Maia. 
“A empresa busca, através de projetos e consultorias, aumentar o conhecimento do aluno e fazer com que ele chegue ao produtor rural, levando em consideração o bem da sociedade e do meio ambiente”, diz.

A missão da empresa, segundo Maia, é fortalecer a formação acadêmica dos estudantes, aprimorando a teoria na prática, sempre trabalhando com ética, para desenvolver consultorias de qualidade. “Tudo é feito com trabalho em equipe, honestidade, criatividade, dedicação e empreendedorismo”, complementa.

Fonte: Tribuna de Ituverava