• banner-site-vestibular-2019-1a
  • banner-bradesco








Fique Sabendo

Imprimir

Fafram recebe novos calouros com trote solidário

A Fafram e a Fundação Educacional de Ituverava dão as boas vindas aos novos alunos que com espírito de solidariedade e integração participaram do trote solidário junto a APAE Ituverava onde arrecadaram alimentos e materiais não perecível para serem doados á mesma.

Imprimir

VII Congresso de Iniciação Científica é realizado pela FE

Participaram do evento cerca de 400 expositores entre alunos da graduação, pós-graduação, professores, entre outros

banner congressoA Fundação da Educacional de Ituverava promoveu entre 22 e 24 de outubro, o VII Congresso de Iniciação Cientifica. O evento teve o objetivo de incentivar a iniciação científica nos cursos de graduação e pós-graduação, oferecidos pela FE, por meio da Faculdade Dr. Francisco Maeda (Fafram) e Faculdade de Filosofia Ciências e Letras (FFCL).

Participaram do evento cerca de 400 expositores entre alunos da graduação, pós-graduação, professores, pesquisadores, profissionais e representantes da comunidade científica.

Abrindo o Congresso, dia 22 outubro, segunda-feira, o apresentador Elias Matogrosso proferiu palestra no salão da Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE). Entre outras autoridades, estiveram presentes o presidente da FE, Pedro César Galassi; o diretor da Fafram, Márcio Pereira; a coordenadora-geral de cursos da FE e responsável pela organização do Congresso, Maria Amália Brunini; o vice-diretor-executivo da FE, Antônio Gonçalves Delgado e a professora da FE, Lidiane Aparecida Kanesiro.
No dia seguinte houve apresentação de trabalhos científicos na Fafram e no dia 24, no encerramento do Congresso, foram apresentados outros trabalhos e realizada a premiação dos vencedores de cada área, no Salão Nobre da Fundação Educacional.

Importância

A coordenadora geral de cursos da FE de Ituverava, e organizadora do Congresso, Maria Amália Brunini, fala sobre o evento. “O Congresso é muito importante para a FE, pois comprova que a instituição trabalha além da área didática, possui também uma massa crítica em termos de pesquisa, apresentando as possibilidades do que pode ser feito para colaborar com a comunidade através da pesquisa”, disse.

“Visto que, uma faculdade não sobrevive isolada, ela tem como um dos objetivos proporcionar benefícios tanto para o meio acadêmico, quanto para a comunidade social”, completa a organizadora do evento.

O aluno do terceiro ano do curso de Direito da Fafram, Paulo Sérgio do Nascimento Assunção, 20 anos, destaca como o Congresso contribuiu para o desenvolvimento profissional do estudante.

“Foi uma oportunidade única e essencial para quem busca agregar novos conhecimentos. O evento nos dá a possibilidade, não só de expor ideias aos professores e profissionais da área, mas também aos outros alunos e, assim, agregar ainda mais conhecimento, seja na área profissional ou académica”, afirma.

“Essa troca de conhecimento e interesses em comum dos participantes é o que me instiga a crescer cada vez mais, como aluno e profissional”, completa o expositor.

Congresso de Iniciação Científica da FE

O Congresso de Iniciação Científica da FE foi iniciado em 2004, com a proposta de inovar, dando um passo à frente no processo de construção do conhecimento, se estendendo a toda comunidade acadêmica em âmbito nacional.

44658276 1930187107070969 8699880798385340416 o

44575427 1930187167070963 4779033535010832384 o

vii congresso de iniciacao cientifica 1 768x511

44848400 1932578660165147 8211449687190798336 n

43623141 1932578846831795 4583722740493582336 n

44707097 1932579020165111 6280575464859762688 n

43585263 1932579240165089 8049348808166866944 n

44740918 1932578933498453 4007921888440352768 n

44771633 1932578980165115 1518509146612170752 n

44789027 1932579286831751 8056116250696220672 n

44821357 1932579173498429 2833597488055713792 n

44830412 1932578883498458 1414237554097520640 n

Imprimir

Livro “Construindo Saberes e Práticas Pedagógicas: experiências do PIBID/FFCL é composto por 21 artigos

banner livro pibidUm grupo de professores da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), instituição mantida pela Fundação Educacional de Ituverava, lançou terça-feira, 18 de setembro, o livro “Construindo Saberes e Práticas Pedagógicas: experiências do PIBID/FFCL (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Docência”.

A obra foi organizada pelos professores coordenadores de cada subprojeto do PIBID, atuantes nos cursos de graduação da FFCL: Ana Maria Ribeiro Tanajura Jabur, professora do curso de História; Lisângela Aparecida Guiraldelli, professora do curso de Letras e Pedagogia; Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade, professora do curso de Pedagogia; Maria Madalena Gracioli, professora do curso de Pedagogia; Marcelo dos Santos Fernandes, professor do curso de Biologia; Márcio Andreza dos Reis, professor do curso de História, e Priscila Alvarenga Cardoso Gimenez, professora do curso de Pedagogia.

O lançamento foi no campus I (FFCL), com a presença dos autores, professores e alunos da FFCL, além de professores das escolas da Rede Pública de Ituverava. Também participaram do evento, a secretária da Educação de Ituverava, Benedita Maria Barbosa Paschoim (“Fia”), representantes da direção e funcionários da FFCL.

O livro é o resultado do programa PIBID/FFCL), que foi desenvolvido no período de 2013 a 2018, administrado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, (CAPES), do Governo Federal. O programa foi encerrado em março deste ano, e durante o período de sua realização, teve como coordenação institucional, a professora Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade.
O PIBID é um programa de valorização dos futuros docentes durante o processo de formação. O programa contemplava a atuação de estudantes dos cursos de graduação (Pedagogia, História, Letras, Matemática e Biologia) diretamente nas escolas de Educação Básica de Ituverava, por meio do desenvolvimento de projetos pedagógicos, coordenados por professores da FFCL e supervisionados pelos professores das escolas de Educação Básica.

Obra

O livro é composto por 21 artigos de autoria dos coordenadores de área, bolsistas de iniciação à docência e supervisores dos subprojetos de Biologia, História, Interdisciplinar, Letras e Pedagogia. Cada artigo apresenta particularidades da área de conhecimento das licenciaturas, articulando teorias às experiências didático-pedagógicas aplicadas em sala de aula.

“Os relatos das atividades revelam vivências desenvolvidas resultantes de estudos, reflexões e interlocuções entre a teoria e a prática pedagógica, as quais foram transformadas em saberes teóricos, pedagógicos e experimentais necessários à formação docente, possibilitando ainda, a introdução de novas metodologias de ensino no cotidiano escolar”, disse a coordenadora do PIBID na FFCL, Lucimary. “A iniciativa do livro surgiu da necessidade de socializarmos o trabalho pedagógico que foi desenvolvido nas escolas, com a introdução de novas metodologias de ensino, o que contribuiu positivamente no processo de ensino-aprendizagem dos alunos das escolas públicas e na formação docente dos licenciandos da FFCL”, afirma.

Distribuição

Os exemplares foram oferecidos aos autores, a Secretaria da Educação de Ituverava e à Biblioteca da FFCL. “Foram produzidos poucos exemplares, em razão do custo elevado e da verba disponível para editoração, prevista no plano de atividades enviado à (CAPES)”, observa a professora Lucimary Bernabé.

A obra será lançada também em forma de e-book (formato digital) disponibilizando todo o conteúdo online, visando impulsionar a sua divulgação.

pibid lancamento do livro 2018 4

Imprimir

Alunos falam da experiência de participarem do Projeto Rondon

banner alunos rondon2

Elaina

“Eu decidi participar, pois como já trabalho no programa Escola da Família me senti confortável e também vi uma grande oportunidade pessoal. O projeto representou um grande crescimento, pois eu era um pouco introvertida, pensava muito só em mim, agora vejo como é importante a socialização e a cidadania. No lado pessoal cresci muito me tornei mais responsável, flexível, socializável, aprendi ser mais organizada e principalmente dar valor as pessoas e lugares a tudo, percebi que muitas vezes o simples é mais agradável, importante ver o sorriso de uma criança, o olhar de admiração de pessoal que não me conhecia muito mas não consigo descrever. Agora no âmbito profissional foi uma experiência muito importante pois como curso Administração é importante esse contato com as pessoas e conhecer suas dificuldades”, Elaina de Sousa Silva, curso Administração de empresa 6º semestre.


Miqueias
“Logo após o professor Reinaldo apresentar ainda em sala de aula o que é o projeto decidi participar devido me identificar muito com o objetivo do Projeto Rondon que é a solidariedade, nada mais é de ajudar famílias e para mim algo que é muito gratificante já que participo de ações na cidade onde habito e logo pensei porque não mover uma ação no estado de Alagoas na cidade de São José da Laje, ainda mais saindo da posição de aluno e sentir por 17 dias o que é ser um professor, foi algo que me motivou a ser candidato do projeto. Foi algo que representou muito, pois sair de uma realidade e viver uma outra completamente diferente se adaptar ao ambiente e a cultura diferente e conviver com 20 pessoas no mesmo lugar foi algo transformador, posso dizer que aprendemos mais do que ensinamos nesses 17 dias, foi uma troca de conhecimentos na qual trago na bagagem tudo o que vivemos e todo conhecimento adquirido por lá. Para minha vida profissional e pessoal a dar valor em tudo que temos e agradecer a Deus o tudo que temos, a si doar mais dar o melhor de si em tudo que fazemos e faremos seja no ambiente de trabalho ou até mesmo em nossa residência pois, pude aprender também que o conhecimento deve ser passado a diante pois conhecimento que não é passado a diante se torna um conhecimento inútil, foi algo que somou muito para mim. Aprendi a ser uma outra pessoa amando o próximo como a si mesmo, algo que vou levar para minha vida toda e por onde eu passar”, Miquéias Simões de Oliveira, curso Ciências Contábeis.

“O que me motivou a participar do projeto foi a oportunidade de vivenciar outras culturas e a oportunidade de contribuir de alguma forma para a sociedade. Acredito que todos nós vivemos em uma bolha e precisamos olhar para fora dela. Sei que não é preciso ir tão longe para ver as desigualdades que marcam o nosso país. As experiências vivida no Projeto são impossíveis de transcrever. Um sentimento de união, amor, paz. Acredito que todos que passaram pelo Rodon voltaram seres humanos mais humanos”, Mariana Cristina de Oliveira Silva, aluna de Pedagogia na FFCL.

Leticia 1
“O Projeto Rondon foi uma oportunidade para transmitir um pouco dos meus conhecimentos e adquirir, com certeza, muitos outros. É uma experiência de vida inexplicável e única em São José da Laje - Alagoas. A todos que perguntam digo que foi muito mais do que eu esperava e que cada pessoa precisa participar do Rondon na vida para sentir o que realmente é ser um cidadão brasileiro. Sinto que o projeto me deu a oportunidade para conhecer outra realidade, outras pessoas com culturas bem diferentes e que nos abraçaram e nos foram gratos com o pouco que levamos de nós a elas. Hoje o Projeto Rondon é parte da minha vida, uma vez Rondonista sempre Rondonista! Todas as pessoas que foram comigo nesta operação tenho como parte da minha família e as que conheci levo comigo dentro do coração, torcendo para que o futuro delas seja de sucesso e que todo meu amor as acompanhe sempre! Só tenho a agradecer a Deus por ter me dado a oportunidade de participar da Operação Palmares - Julho 2018”, Letícia Ferreira Guimarães da Silva, curso Engenharia Mecânica na FFCL e estou no último semestre.

Vinicius 1

Vinicius 2


“O primeiro contato que eu tive com o projeto Rondon foi através de um professor na faculdade FFCL Matheus e ele me contou sobre as experiências que tinha tido nas operações que participou em Belém do Pará e aquilo me motivou bastante e eu fui buscar inteirar, saber o que era o Projeto Rondon, achei muitos relatos, muitas histórias de quem já tinha participado do projeto das outras vezes e me motivou bastante, isso foi um dos motivos principais em sair desse comodismo que a gente vive na nossa realidade, porque a minha vida é trabalho e estudo, então eu queria algo mais, queria buscar novas fronteiras, sair da minha zona de conforto, poder ajudar as pessoas, levar um pouco do meu conhecimento para as outras pessoas, isso que foi o fator primordial para me levar para o Rondon. E daí me apareceu a oportunidade na FFCL com o professor Reinaldo Igarashi , com o professor Saulo Rodrigues, que escreveram o projeto submeteram no Ministério da Defesa e conseguiram fazer com que a FFCL fosse selecionada para o projeto. Eu corri atrás, fiz a inscrição, passei pelas entrevistas, fiz todo processo seletivo e consegui ser selecionado. Foi por conta disso, eu saí daqui de Ituverava, eu sou de Pedregulho, mas saí de Ituverava com a equipe com a intenção de chegar lá e poder ajudar transformar realidade, nós montamos nossos projetos aqui e fomos com o intuito de poder mudar a realidade daquele pessoal, que a gente percebeu pelo estudo do IDH da região, que é uma região muito sofrida e o ponto principal da minha inscrição, foi tentar ajudar o próximo, não sendo demagogo, não sendo hipócrita, mas a gente fala muito nisso nessa questão de ajudar o próximo, fazer o bem e eu acho que a gente deve deixar de falar, de pregar e ir lá, colocar a mão na massa, o fazer, a ação e por conta dessa ação, acho que foi o motivo maior da minha ida até São José da Lage.

O Rondon foi um divisor de águas na minha vida, eu me considero Vinicius antes e depois do Rondon. Ele me preparou para conviver com a diferença, conviver com o que não é comum dentro da minha vida. Eu voltei de lá uma pessoa mais sensível a condição de nossos semelhantes, porque é impossível você viver a sua vida indiferente com as necessidades dos outros. O Rodon ele me ensinou cidadania, companheirismo, reciprocidade, amor ao próximo. A contribuição pessoal, eu costumo dizer que foi a nossa ida do paraíso ao inferno, inferno no seguinte ponto: por ser uma realidade muito sofrida, você encontrar crianças que perderam todos os dentes, por não ter acompanhamento odontológico, famílias que não têm condições, a gente distribuiu escovas de dente em parceria com a UNIVALE, que é a Universidade de Itajaí que ficou no mesmo município que a FFCL, e você encontrar crianças que não queriam pegar as escovas, porque a família não tinha condições de comprar o creme dental, você conhecer pessoas como a Dona Maria José que é uma pessoa de uma história extraordinária, uma senhora que teve tudo de errado na vida, perdeu a casa na enchente, o casamento dela é falido, tem uma depressão profunda, trabalha de merendeira na escola e ganha R$ 800 por mês, porque a folha de pagamento da prefeitura não consegue pagar o salário mínimo. Contribuição profissional, eu sou um professor aqui da escola pública, e a gente tem um modelo de escola bem diferente, mas que já estamos acostumados, você conhece a estrutura da escola, conhece os recursos que a gente tem para trabalhar, a gente conhece os alunos, as condições que eles têm, então isso é uma coisa normal, agora quando você sai daqui e vai lá para o nordeste e pega uma situação totalmente diferente onde você não conhece seus alunos, um exemplo palpável, lá no município que ficamos, o ensino é de tempo integral e aqui não temos isso, então já é um agravante para o professor que não está preparado, você tem que saber manobrar dentro dessa estrutura.

Foi muito gratificante no sentido dessa convivência, ter experiências com outros professores, me inteirei do sistema educacional de Alagoas em si, porque a estrutura das escolas onde a gente ficou, onde a gente fez oficinas, são maravilhosas, você tem escolas novas, com ar-condicionado, mobiliário novo, coisas que muitas vezes a gente não tem aqui, mas aqui a gente tem uma capacitação melhor do profissional para trabalhar, então teve essa troca de experiência.

Eu queria terminar com uma frase que eu aprendi lá que eu acho que ela deve ser uma das máximas da nossa vida, que a gente tem que carregar conosco sempre para sermos melhores “Faça o que você puder, faça o bem que você puder pelos outros, você não vai perder nada com isso”. Acho que se a gente tem condições de transformar o dia de uma pessoa para melhor, já valeu a pena ida, a gente conseguiu transmitir tudo isso que a gente aprendeu lá, foi uma viagem muito gratificante, agradeço a todos que me deram a oportunidade de poder participar”, Vinícius Rodrigues, Aluno do curso de “HISTÓRIA” da FFCL.

Fonte: Jornal O Progresso